Operação Apagão da Polícia Civil apreende documentos na Cooperzem

OPERAÇÃO APAGÃO DA POLÍCIA CIVIL APREENDE DOCUMENTOS NA COOPERZEM

Na manhã dessa quinta-feira (20) trinta policiais civis de Armazém, São Martinho, Gravatal, Tubarão, Braço do Norte e São Ludgero estiveram envolvidos na Operação Apagão na cidade de Armazém, que consistiu na apreensão de documentos na sede da Cooperativa de Eletrificação Rural e em mais duas residências de funcionários da empresa.

Segundo o delegado de Armazém, Marcelo Bitencourt, responsável pelo caso, havia mandados de segurança concedidos pelo Juiz de Direito, Sancler Adilson Alves, da Comarca de Armazém para a Cooperativa e em mais quatro residências onde haviam suspeitas de arquivamento de material da empresa. “Com a apreensão destes documentos nós impedimos que algumas provas pudessem ser supridas, comprometendo o andamento das investigações policiais”, esclarece Marcelo.

O tempo – As investigações policiais foram iniciadas há dois meses devido às muitas conversas recorrentes na cidade e informações de que haviam irregularidades na administração da Cooperativa. “Nós ouvimos pessoas que eram sócias e nunca residiram na cidade, por exemplo”, relata o delegado.

O teor das investigações está focado no fato de a Cooperzem ser uma empresa pública e, por sua vez, deveria ser administrada como uma prestadora de serviço público de energia elétrica, como está divulgado no Diário Oficial da União datado de 24 de abril de 2006: Resolução Homologatória nº 323, de 18 de abril de 2006: “… na instrução de respectivo processo administrativo, foi constatado que a Cooperzem exerce atividade de distribuição de energia elétrica a público indistinto, caracterizando, assim a sua atuação como prestadora de serviço público de energia elétrica…”

O material apreendido – segundo a polícia civil de Armazém foram apreendidos cerca de 8 mil fichas de associados da Cooperzem, vários computadores e outros documentos de interesse das investigações, todos da área administrativa, inclusive o computador que armazenava informações dos recebimentos e faturamento da empresa. Segundo o delegado não houve resistência em nenhum lugar onde os policias agiram e todo o processo foi acompanhado pelos advogados da Cooperzem, pelos técnicos da empresa que identificaram as máquinas que continham as informações desejadas. “Não foi retirado nada que possa comprometer o atendimento e a distribuição da energia nas cidades abastecidas pela cooperativa. Tudo permanece na íntegra para o devido funcionamento”, comenta Marcelo.

Todo material apreendido se encontra na delegacia civil de Armazém e a partir de agora será analisado pela Instituto Geral de Perícia (IGP) da polícia civil. “Nosso trabalho será intenso. Iremos intimar as pessoas na hora certa, quando houver a comprovação de atos suspeitos, com a intenção de que os mesmos esclareçam a situação”, conclui o delegado.

Segundo publicado no Facebook de Renata Buss (escrivã da polícia civil de Armazém), também foram apreendidos além das 8 mil fichas de associados, 100 mil reais em espécie e em cheques.

Fonte - https://oregionalsul.com/cidades/operacao-apagao-da-policia-civil-apreende-documentos-em-cooperzem/5029/





TOP